Na pauta das conversas, esses líderes levam a Maia cenários de desembarque do governo, em meio à discussão do processo da segunda denúncia contra o presidente.Entre os partidos que procuraram Maia nos últimos dias estão siglas do chamado “Centrão”, como PR, PP, PSD, além de ala do PSDB e do PMDB, partido de Temer.

Segundo o Blog apurou, Maia recebeu relatos de que a pressão nas bases eleitorais dos deputados cresceu no ambiente da segunda denúncia. E que eles temem se desgastar para salvar Temer novamente e acabarem sem mandato, cobrados durante a eleição de 2018.

Aos parlamentares e líderes de partido, Maia concorda que o ambiente piorou em relação à primeira denúncia. E tem demonstrado aos interlocutores que tem se distanciado do Planalto.

Nesta quarta-feira (11), Temer mandou o ministro da articulação política, Antonio Imbassahy (PSDB), procurar Maia para tentar apagar o incêndio desta terça (10), quando Maia criticou o governo e disse que não votaria mais nenhuma medida provisória após o Planalto agir para esvaziar o quórum da sessão da Câmara.

Maia repete a aliados que não confia mais no governo e que o país está pendurado para discutir uma denúncia enquanto a agenda econômica e temas como a segurança pública estão sem solução.

E completa, dizendo que, se for chamado por Temer, irá para a conversa vestido do seu papel institucional.

G1/Blog da Andréia Sadi