baixe nosso aplicativo

Projetando assinatura de Raíssa na CPI da Lagoa, líder da oposição não vê “vingança” em apoio da vereadora

“Ela quer que as investigações sejam ampliadas e acredita que o parlamento pode sim dar sua contribuição”, disse Bruno Farias

Por: Blog do Gordinho

0

icones whats

O líder da oposição na Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP), Bruno Farias (PPS), disse que não vê como vingança o ato de Raíssa Lacerda (PSD), correligionária do prefeito Luciano Cartaxo (PSD), analisar documentos referentes a investigação que apura irregularidades financeiras na obra da Lagoa, o que pode levar a vereadora da situação a assinar um requerimento que pode instaurar a CPI da Lagoa na Casa Legislativa da Capital. Para Farias, a nona assinatura – necessária para protocolar o requerimento – pode vir justamente de Raíssa.

Leia também: Oposição solicita contrato de revitalização da Lagoa e inquéritos sobre investigação da obra

“Ainda não conseguimos a nona assinatura. Estamos na realidade em compasso de espera, a vereadora Raíssa ficou de analisar os documentos que estão sob sua posse. Ela está se debruçando sobre o relatório da CGU, os inquéritos da Polícia Federal, o inquérito civil-público da Procuradoria da República. De modo que ainda não se posicionou. Tem nos bastidores, os revelados que ela está propensa a permitir a investigação”, afirmou Bruno Farias.

Raíssa andou em pé de guerra com Cartaxo, e poderia estar usando a possível assinatura de requerimento da CPI da Lagoa como moeda de troca ou para vingar-se. Questionado sobre isso, o líder da oposição descartou essas possibilidades. “Não vejo como vingança, não vejo como troco, como também não vejo a posição da vereadora Raíssa aliada a uma postura da bancada. Creio que seja de natureza individual. Ela, acredito, quer que as investigações sejam ampliadas e acredita que o parlamento pode sim dar sua contribuição”, analisou.

Farias ainda admitiu o contato com outros vereadores da bancada de situação para garantir suporte à CPI da Lagoa. “Conversamos sim com outros vereadores, mas me reservo ao direito de não expor”, disse; acrescentando que citou Raíssa “pois ela própria divulgou que foi procurada por nossa bancada e está analisando os documentos”.

Farias lembra ainda que própria prefeitura instituiu uma comissão de investigação para apurar as irregularidades na obra da Lagoa. “Se a própria prefeitura está investigando, que não tem a função de fiscalizar, porque o poder legislativo, que nasceu para fiscalizar, vai se negar a cumprir uma determinação constitucional que é sua razão de ser”, questionou o vereador.